Concluídas recentemente pela EMPA S. A. Serviços de Engenharia, empresa do Grupo Teixeira Duarte, as obras de construção da Ponte sobre o Rio Almada, em Ilhéus/BA, foram executadas com uma metodologia  inovadora, concebida exclusivamente para este projeto.

A empreitada foi destaque na revista O Empreiteiro e faz parte das obras iniciais do Porto Sul, que também compreendem a construção dos caminhos de acesso do Terminal Portuário de Aritaguá, cujos serviços estão  em execução.

 

Conheça o método construtivo utilizado

A obra foi executada com o auxílio de uma Plataforma de Apoio à Cravação de Estacas – cantitraveller, – que funcionou como estrutura provisória, composta de vigas metálicas (tipo caixão), plataforma de armazenamento e guia de cravação, sendo as estruturas definitivas da ponte (longarina, vigas e estacas metálicas e as pré-lajes) lançadas na passagem do equipamento.

Por meio deste equipamento, foram lançadas 252 toneladas de vigas e 1.000 m3 de concreto, envolvendo cerca de 500 colaboradores, diretos e indiretos. Com a utilização do cantitraveller, com console único de lançamento de 26,40m, eliminaram-se os 18 apoios provisórios e reduziu-se significativamente o impacto ambiental.

O equipamento funciona apoiado nas estruturas definitivas, como viga travessa e estacas metálicas, por ele mesmo posicionadas, dando assim seguimento aos ciclos de deslocamento e avanço para execução de todo trabalho.

Após o lançamento das vigas, faz-se a cravação das estacas metálicas, lançamento e concretagem da viga travessa. As pré-Lajes dos tabuleiros também são içadas e lançadas por outro guindaste que circula sobre o tabuleiro construído, sendo a concretagem de consolidação realizada em fase posterior ao lançamento de todas elas no vão do tabuleiro.

Uma estrutura auxiliar suportada pelos pilares definitivos da ponte tem função principal de guiar os tubos metálicos das estacas na sua fase de cravação, sem recorrer a apoios adicionais para além dos pilares definitivos da ponte.

As vigas de apoio do equipamento, nesta obra da ponte em Ilhéus foram formadas por dois conjuntos de  quatro vigas caixão.

A plataforma de armazenamento do cantitraveller neste projeto foi formada por um estrado de 14 m de largura por 13,5 m de comprimento, sobre o qual estavam uma grua e os martelos vibratórios e de percussão  para cravação de estacas, além de outros materiais de apoio.

O movimento longitudinal no cantitraveller é realizado por cilindros hidráulicos e dispõe de travão mecânico. O guia de cravação de estacas tem sua movimentação também feita por cilindros hidráulicos.

 

Este Infografico ilustra todo o processo construtivo.

 

Além da expertise técnica, a EMPA empregou também seus principais valores para garantir o sucesso do projeto: engenharia, planejamento, compromisso, qualidade, segurança e responsabilidade ambiental.

 

Acesse a matéria divulgada na Revista O Empreiteiro.