Ampliação e modernização do Aeroporto de Campina Grande

As obras de ampliação do Aeroporto de Campina Grande – Presidente João Suassuna, iniciadas em dezembro de 2021 e lideradas pela Teixeira Duarte, representam um passo significativo para o crescimento econômico e turístico no nordeste brasileiro. 

O projeto faz parte do consórcio da Aena Brasil que também revitalizou o Aeroporto de João Pessoa, consolidando a Teixeira Duarte como uma escolha líder em projetos aeroportuários.

Após a conclusão das obras, o aeroporto agora tem a capacidade de atender a 250 mil passageiros por ano, um passo significativo para atender o crescente fluxo de viajantes na região.

A implementação do projeto abrangeu uma série de atividades estratégicas, confira:

Ampliação da Infraestrutura

  • A área de construção foi expandida para um total de 5.134,02 m², com foco principal na reforma e ampliação do Terminal de Passageiros, que agora incorpora 3.492,35 m² dessa extensão. Essa expansão proporciona maior capacidade operacional, melhor circulação e conforto de passageiros e áreas dedicadas a serviços adicionais. 
  • O Prédio Administrativo passou por uma reforma abrangente, agregando 740,90 m² ao seu espaço de forma a contribuir para a eficiência operacional. 
  • A implementação de dois pavimentos representa uma abordagem eficiente na otimização do espaço disponível, acomodando operações aeroportuárias de maneira mais eficaz, oferecendo flexibilidade e adaptabilidade.

Desenvolvimento da Infraestrutura Aeroportuária

  • A implementação de um novo Pátio de Estacionamento de Aeronaves foi uma medida estratégica para se adequar ao Plano de Zona de Proteção (PZP), de forma a aprimorar a logística operacional e acomodar aeronaves de maneira mais eficiente. 
  • A introdução de um novo acesso, conhecido como Taxiway, proporciona uma ligação direta da pista de pouso e decolagem ao novo pátio, otimizando o fluxo de tráfego aéreo e minimizando tempos de espera. 
  • As adaptações na pista, especialmente a instalação das novas áreas de segurança de extremidade de pista (RESAS) nas cabeceiras 13 e 33 visam garantir operações aéreas mais seguras e eficazes. 
  • A escolha estratégica de incorporar estruturas metálicas fortalece a base da infraestrutura aeroportuária. Além de conferir resistência, essa abordagem oferece versatilidade estrutural, adaptabilidade e longevidade das instalações.

Inovação e Sustentabilidade

  • A implementação de um sistema de iluminação com sensores de presença e ajuste automático de intensidade reflete o compromisso com a eficiência energética. 
  • A instalação de fachadas em vidro otimiza a entrada de luz natural nas instalações, criando ambientes mais arejados e reduzindo a dependência de iluminação artificial. 
  • A introdução de pavimentos técnicos ajuda a otimizar a eficiência operacional do aeroporto, facilitando a manutenção de sistemas e instalações. 
  • As inovações nos sistemas hidráulicos e de gestão de resíduos visam não apenas a eficiência, mas a adoção de práticas ecologicamente corretas.

 

Este projeto não apenas eleva o padrão da infraestrutura regional, mas também destaca o compromisso da Teixeira Duarte com a inovação técnica e a excelência, superando desafios como logística, suprimentos, formação e retenção de mão de obra local, entre tantos outros comuns a esse tipo de operação.

 

Teixeira Duarte marca presença na FATEC-SP em parceria com troca de informações e oportunidade profissional

Em uma iniciativa de estreitar vínculos com a educação e proporcionar oportunidades profissionais significativas, a Teixeira Duarte firmou uma parceria estratégica com a Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (FATEC- SP). Essa colaboração visa não apenas a troca de informações, mas também a oferta de oportunidades profissionais aos alunos interessados na área de construção civil.

Durante a visita à FATEC SP, a Teixeira Duarte apresentou uma visão abrangente de suas práticas, destacando sua trajetória, valores e impacto no mercado da construção. Colaboradores exemplificaram projetos desenvolvidos utilizando a tecnologia BIM (Building Information Modeling – Modelagem de Informação da Construção), proporcionando uma visão prática das atividades na carreira técnica.

A palestra, ministrada pelos colaboradores Carlos Estre (ex-aluno) e Mariana Gonçalves (estudante da FATEC), focou na importância de uma formação técnica e no desenvolvimento de habilidades específicas para projetos inovadores. A mudança de paradigma, indo da prancheta para o BIM, foi enfatizada como uma evolução conceitual que exige adaptação contínua dos profissionais da construção.

O evento ainda discutiu como o BIM está revolucionando a abordagem de projetos, saindo do papel e indo para a modelagem 3D. A eficiência na extração de dados e documentos foi salientada, assim como a necessidade de os futuros profissionais adquirirem conhecimentos alinhados com as demandas da inovação tecnológica na construção civil.

O processo seletivo para a posição de Técnico de Edificações também fez parte da palestra. A Teixeira Duarte utilizou uma dinâmica de grupo que proporcionou uma avaliação do perfil comportamental dos estudantes. 

Como resultado, o aluno João Pedro Vicari foi selecionado e hoje compõe o quadro de colaboradores da Teixeira Duarte. Ele compartilhou sua experiência: “A sensação de passar na entrevista e trabalhar na área que gosta, com uma empresa de renome no mercado e com a forma de tratar funcionários e clientes da Teixeira Duarte, não existe preço”. 

A parceria entre Teixeira Duarte e FATEC-SP não apenas proporcionou conhecimento prático aos alunos, mas também resultou em oportunidades concretas de emprego para os talentos emergentes. A história de João Pedro Vicari é um testemunho vivo do sucesso dessa colaboração, reforçando a visão de que a união entre empresas e instituições educacionais é essencial para o desenvolvimento profissional e a inovação no setor da construção civil. 

A Teixeira Duarte reafirma mais uma vez sua missão de fazer, contribuindo para a construção de um mundo melhor!

EMPA conclui obras iniciais do Porto Sul em Ilhéus/BA

A EMPA, empresa do Grupo Teixeira Duarte, finalizou as obras iniciais do Porto Sul, em Ilhéus, Bahia, para a BAMIN. As obras compreenderam a construção dos acessos e caminhos de serviços do Terminal Portuário de Aritaguá e a Ponte sobre o Rio Almada.

A empreitada foi vencedora do 3º Prêmio InovaInfra 2022,  promovido pela Revista O Empreiteiro, na categoria “Estruturas”, com a metodologia inovadora utilizada nas obras de construção da Ponte, concebida exclusivamente para este projeto, com a utilização de um cantitraveller, que permitiu a execução da Ponte por lançamento e cravação de estacas, tramo-a-tramo, com vão único em console de 26,40m, eliminando 18 apoios provisórios e reduzindo significativamente o impacto ambiental.

Foram 252 toneladas de vigas definitivas, 1.000m³ de concreto e 500 colaboradores dedicados para que este desafio fosse concluído com êxito.

     

     

.     

.     

 

Conheça o método construtivo utilizado

A obra foi executada com o auxílio de uma Plataforma de Apoio à Cravação de Estacas – cantitraveller, – que funcionou como estrutura provisória, composta de vigas metálicas (tipo caixão), plataforma de armazenamento e guia de cravação, sendo as estruturas definitivas da ponte (longarina, vigas e estacas metálicas e as pré-lajes) lançadas na passagem do equipamento.

Por meio deste equipamento, foram lançadas 252 toneladas de vigas e 1.000 m³de concreto, envolvendo cerca de 500 colaboradores, diretos e indiretos. Com a utilização do cantitraveller, com console único de lançamento de 26,40m, eliminaram-se os 18 apoios provisórios e reduziu-se significativamente o impacto ambiental.

O equipamento funciona apoiado nas estruturas definitivas, como viga travessa e estacas metálicas, por ele mesmo posicionadas, dando assim seguimento aos ciclos de deslocamento e avanço para execução de todo trabalho.

Após o lançamento das vigas, faz-se a cravação das estacas metálicas, lançamento e concretagem da viga travessa. As pré-Lajes dos tabuleiros também são içadas e lançadas por outro guindaste que circula sobre o tabuleiro construído, sendo a concretagem de consolidação realizada em fase posterior ao lançamento de todas elas no vão do tabuleiro.

Uma estrutura auxiliar suportada pelos pilares definitivos da ponte tem função principal de guiar os tubos metálicos das estacas na sua fase de cravação, sem recorrer a apoios adicionais para além dos pilares definitivos da ponte.

As vigas de apoio do equipamento, nesta obra da ponte em Ilhéus foram formadas por dois conjuntos de quatro vigas caixão.

A plataforma de armazenamento do cantitraveller neste projeto foi formada por um estrado de 14 m de largura por 13,5 m de comprimento, sobre o qual estavam uma grua e os martelos vibratórios e de percussão para cravação de estacas, além de outros materiais de apoio.

O movimento longitudinal no cantitraveller é realizado por cilindros hidráulicos e dispõe de travão mecânico. O guia de cravação de estacas tem sua movimentação também feita por cilindros hidráulicos.

Este Infografico ilustra todo o processo construtivo.

Além da expertise técnica, a EMPA empregou também seus principais valores para garantir o sucesso do projeto: engenharia, planejamento, compromisso, qualidade, segurança e responsabilidade ambiental.

Conheça todos os detalhes deste case de sucesso.

Evolução de Carreira e BIM foram destaque em palestra da Teixeira Duarte na Semana de Engenharia da UNESP – Campus Guaratinguetá

No  último dia 5 de dezembro, a Teixeira Duarte teve a oportunidade de promover uma palestra para os alunos do curso de Engenharia da UNESP, campus Guaratinguetá, durante a Semana de Engenharia da universidade. O evento contou com a participação dos engenheiros Laura Esteves e Luiz Büll.

Laura Esteves, Diretora de Projetos e especialista em Building Information Modeling (BIM) na Teixeira Duarte, abordou os avanços e inovações trazidos pelo BIM na indústria da construção e como ele transformou a gestão dos projetos na empresa. Sua palestra proporcionou aos alunos uma compreensão mais profunda da importância da transformação digital e da aplicação prática do BIM em projetos de engenharia e construção.

Já o engenheiro Luiz Büll, ex-aluno da UNESP e membro da equipe da Teixeira Duarte, compartilhou sua trajetória profissional desde os dias acadêmicos até sua posição atual. Ao discutir suas experiências pessoais, Luiz ofereceu uma visão autêntica dos desafios e oportunidades que os engenheiros enfrentam ao longo de suas carreiras.

Luiz também apresentou a Teixeira Duarte aos alunos, destacando a relevância da empresa no setor de engenharia e construção e sua multidisciplinaridade de atuação. Essa visão proporcionou aos estudantes uma compreensão aprofundada do ambiente de trabalho na Teixeira Duarte, sem perder de vista as várias possibilidades de crescimento profissional disponíveis.

A diversidade de tópicos abordados durante a palestra ofereceu aos alunos uma visão completa do setor de engenharia, desde as mais recentes inovações tecnológicas até as perspectivas de carreira oferecidas por empresas como a Teixeira Duarte.

A Teixeira Duarte e agradece à UNESP Guaratinguetá pelo convite e reafirma o seu compromisso em contribuir para um mundo melhor, começando pelo desenvolvimento educacional e profissional de jovens talentos na área de Engenharia.

Eng.º Pedro Teixeira Duarte

No passado dia 1 de novembro de 2023 – Dia de Todos os Santos – morreu o Senhor Eng.º Pedro Pereira Coutinho Teixeira Duarte, fato que deixa de luto a Empresa e cada um dos tantos que foram tocados – direta e indiretamente – por ele.

Mas deixa também a saudade e – com ela – a vontade de fazer mais e melhor, inspirados pelo seu trajeto.

Partiu com 105 anos de idade e mais de 105 descendentes. Um homem de Família, um Senhor na e para a Empresa e todos os que nela trabalharam. Uma figura ímpar como pessoa, como engenheiro, como profissional, como líder e como empresário.

Nascido em 24 de agosto de 1918, na Lourinhã, Pedro Pereira Coutinho Teixeira Duarte, foi o segundo de três irmãos filhos do Engenheiro Ricardo Esquível Teixeira Duarte, que fora o responsável pelo início da atividade da Teixeira Duarte em 1921.

A Engenharia estava no sangue e a Empresa era quase uma irmã mais nova.

 

Assim e depois de uma infância e juventude vividas em Lisboa, licenciou-se em Engenharia Civil, pelo Instituto Superior Técnico, em 1946, sendo Engenheiro Especialista em Geotecnia, em título outorgado pela Ordem dos Engenheiros.

 

Com essa formação, também ela ligada à gênese e à atividade da sociedade – que nessa data se designava de “Empresa de Sondagens e Fundações Teixeira Duarte, Lda.” –, o Eng.º Pedro Teixeira Duarte desempenhou vários cargos nas estruturas operacionais da Teixeira Duarte, desde Diretor de Obras de Sondagens, a Diretor de Obras e colaborador em Estudos e Projetos na área da Geotecnia e Engenharia de Fundações, até Diretor do Setor de Sondagens e mais tarde também Diretor do Parque e Oficina de Máquinas e Equipamentos.

 

Com a morte de seu Pai em 1959, assume o cargo de Gerente e Diretor Geral da Empresa, o qual manteria até 1987, data em que a Teixeira Duarte se transformou na Teixeira Duarte – Engenharia e Construções, S.A., passando o Eng.º Pedro Teixeira Duarte a ser presidente do Conselho de Administração até 2008, altura em que, já com 90 anos de idade, deixou de desempenhar qualquer cargo de gestão ou função operacional nas estruturas da Empresa.

 

Em paralelo e também até essa altura, foi Presidente do Conselho de Administração da sociedade da família que manteve o núcleo central acionistas da Empresa desde a sua constituição até aos dias de hoje, incluindo desde a entrada na bolsa em 1998.

 

Desde 1987 que o seu filho Pedro Maria Calainho Teixeira Duarte desempenhou o cargo de Administrador Delegado da Empresa, tendo-lhe sucedido na presidência do Conselho de Administração da Empresa e do Grupo em 2008, cargo que é atualmente e desde 8 de outubro de 2021, exercido por Manuel Maria Teixeira Duarte.

Durante os seus anos de liderança, apostou, promoveu e incentivou vários colegas que com ele trabalharam décadas no topo da Empresa e do Grupo, destacando-se o Eng.º Silvério Antunes Coelho, o Eng.º Marques Dionísio e o Dr. Manuel Ferreira.

 

 

Deus teve, desde sempre e até ao final, um papel muito relevante na sua vida e forma de a viver, bem como na sua postura empresarial, tendo inclusivamente sido presidente da Associação Cristã de Empresários e Gestores (ACEGE) num conturbado período do pós-25 de abril, assumindo com coragem e determinação os caminhos que entendeu serem os certos independentemente das circunstâncias.

 

Quis sempre que a Empresa tivesse uma relação impactante com o “próximo” e que fosse um parceiro na sua área de atuação pela forma como colaborou com entidades públicas em projetos e estudos relevantes – incluindo a excecional relação de cooperação com o Laboratório Nacional de Engenharia Civil –, como promoveu o estudo e o ensino destes temas, realizando diversos ciclos de lições e conferências sobre temas de Geotecnia e Engenharia de Fundações, pelas ligações que manteve sempre com a Ordem dos Engenheiros, e ainda pela forma, como na sua atividade, lidou com os clientes, fornecedores, colaboradores e concorrentes, tendo integrado desde muito cedo associações do setor da construção, sendo ainda hoje a Teixeira Duarte membro da AICCOPN.

 

Sem prejuízo disso e apesar do enorme crescimento que a Empresa foi tendo e do Grupo econômico que nasceu da sua gênese de engenharia – hoje com 9.500 trabalhadores, em 22 países, operando em 6 setores diferentes – manteve sempre uma postura discreta, focada e de acompanhamento dos temas da Empresa, sendo que até ao final da sua vida foi participando nos eventos comemorativos da vida da Teixeira Duarte.

 

Marcou também a Empresa pela vivência de décadas daqueles que são os seus valores: Engenho, Verdade e Compromisso e permitiu que nela muitos possam ainda hoje continuar a fazer, contribuindo para a construção de um mundo melhor: a missão da Teixeira Duarte.

 

Em 2006, foi agraciado, pelo então Presidente da República de Portugal, Jorge Sampaio, com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

 

Sem prejuízo desse reconhecimento pela figura máxima do Estado Português, o Engenheiro Pedro Teixeira Duarte deixa a várias gerações marcas fortes:

Como Pessoa, o que mais se ouve dizer é que era muito humano, um homem de família, honesto, empático, de elevada educação e grande descrição, era um homem sereno, atento, humilde e disponível;

 

Como Engenheiro, era-lhe reconhecida a paixão pela ciência, a aplicação da ciência à prática; o engenho, a criatividade, a inovação e o gosto de ver essas características nos outros, dando-lhes as oportunidades para essa criação e novidade;

 

Como Profissional, pautava o seu comportamento pela verdade, pelo rigor, pela atenção em ouvir os colegas, pela humildade, pela vontade de aprender, sem receio de delegar em quem reconhecia capacidade, sem nunca se eximir da responsabilidade; era também muito disponível e perfeccionista;

 

Como Líder, liderava pelo exemplo e pela humildade, alimentando admiração e respeito de todos e, dessa forma, uma confiança e vontade de o acompanhar nos desígnios que assumiu e nos desafios para onde levou e fez que levassem a Teixeira Duarte;

 

Como Empresário, era um homem de palavra, de compromisso, com sentido de missão, que pretendia uma empresa ética, focada nas pessoas, na empregabilidade e no sentido de coletivo acima do individual.

 

Estas são algumas das estacas com que criou as fundações da sua Família, da sua profissão, da sua liderança, da empresa e nas quais construiu relações excepcionais de enorme respeito, estima, gratidão, empatia, admiração, inspiração e, sobretudo, humanidade e profissionalismo, que acumuladas com a sua excepcional longevidade fizeram dele uma figura ímpar da engenharia portuguesa e sobretudo, a todos nós, o orgulho de o podermos chamar de “nosso” Presidente e, também dessa forma, o fazermos presente e assim, juntos, continuarmos a contribuir para a construção de uma Teixeira Duarte melhor!

 

Bem haja e obrigado Senhor Engenheiro Pedro Teixeira Duarte!

IMPLEMENTAÇÃO DO BIM NA TEIXEIRA DUARTE É DESTAQUE EM ARTIGO DA REVISTA ESTRUTURA.

A indústria da construção está passando por uma revolução digital, e a Teixeira Duarte está na vanguarda dessa transformação.

Diretora de Projetos da Teixeira Duarte, a engenheira técnica civil Laura Esteves, aceitou o convite da Revista Estrutura e compartilhou insights valiosos sobre a transição da Teixeira Duarte dos métodos convencionais para a digitalização, especificamente com a adoção do Building Information Modeling (BIM).

ENFRENTANDO DESAFIOS COM INOVAÇÃO
A construção enfrenta desafios diversos, desde mudanças econômicas até preocupações ambientais. Nesse contexto, a Teixeira Duarte identificou uma oportunidade para diferenciar-se no mercado. A adoção do BIM representa um passo estratégico em direção à melhoria da eficiência, aumento da produtividade e garantia da excelência na qualidade final de suas obras. 

Essa integração de tecnologias avançadas de modelagem e colaboração não apenas moderniza as operações, mas também coloca a empresa na vanguarda da transformação na construção.

UMA HISTÓRIA DE INOVAÇÃO

Para entender a abordagem inovadora da Teixeira Duarte, é importante observar sua história de pioneirismo. Desde o início da sua atividade, em 1921, liderada pelo Eng. Ricardo Esquível Teixeira Duarte, a empresa tem se destacado por desenvolver soluções engenhosas para superar desafios específicos. 

Naquela época, importar equipamentos era uma tarefa difícil, o que levou o fundador a criar suas próprias soluções adaptadas às necessidades de cada obra. Essa cultura de inovação persistiu ao longo dos anos, resultando em um histórico de invenções  que ultrapassaram as limitações das tecnologias disponíveis no mercado.

PENSANDO NO FUTURO

Além de destacar a história de inovação da Teixeira Duarte, o artigo de Laura Esteves também enfoca a necessidade urgente de mudança no setor da construção, em busca de mais produtividade, sustentabilidade nos negócios, cumprimento de custos e prazos, além de gestões mais rigorosas de cada etapa dos projetos e descarbonização do setor.

A transformação é essencial para a evolução da construção, por isso, a Teixeira Duarte tem  um compromisso com a otimização e busca incessante pela excelência. 

A revista Estrutura é uma publicação da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural – ABECE.

Clique aqui para ler o artigo completo e descubra como o BIM está transformando os processos da Teixeira Duarte.